Follow by Email

segunda-feira, 20 de julho de 2015

notticias


El País El País 1 dia atrás Carla Jiménez
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha.© Marcelo CamargoO presidente da Câmara, Eduardo Cunha.
Para tirar de si o peso das acusações de cobrar propina do lobista Júlio Camargo, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) começou a inflar ofantasma do impeachment da presidentaDilma Rousseff. Um dia depois do depoimento de Camargo ser vazado, e horas depois de anunciar seu rompimento pessoal com o Governo, Cunha tirou da gaveta os pedidos de impeachment que ele mantinha parados, aparentemente, para usá-los em um momento oportuno. A bomba atômica, como foi batizada por Fernando Henrique Cardoso (“Impeachment é como bomba atômica: bom para dissuadir, não para usar”, segundo o ex-presidente), é um conjunto de 11 pareceres apresentados por diversos autores solicitando que a Câmara dê andamento a pedidos de impeachment da presidenta.
Segundo o siteCongresso em Foco, o deputado despachou esses protocolos – um deles solicitado pelo deputado Jair Bolsonaro – que já haviam sido apresentados, mas precisavam ser atualizados para poder tramitar no Congresso. O pedido de Bolsonaro, por exemplo, é de março. Cunha, porém, já mantinha sob análise um pedido do gênero feito pelo Movimento Brasil Livre, que ficará pronto em meados de agosto. Na noite de sexta, o deputado postou em sua página do Facebook uma foto que tirou com os integrantes do MBL quando estes lhe entregaram o pedido de impeachment
argumento do MBL parar tirar a presidenta é a utilização indevida das manobras fiscais em seu primeiro mandato para fechar as contas públicas. Os gastos do Governo de 2014 estão sendo julgados pelo Tribunal de Contas da União, que vê indícios de sérias pedaladas, e pode elaborar um parecer técnico sugerindo ao Congresso que rejeite, ou não, as contas da presidenta. Um impeachment, no entanto, depende de erros cometidos durante a gestão em vigor, e não pode ser tratado a partir do Governo anterior. Somente uma vez as contas de um Governo foram rejeitadas por um tribunal, em 1937, na administração de Getúlio Vargas.
O tema é controverso e divide opiniões, pois, em tese, as chamadas pedaladas ocorreram durante o primeiro Governo Dilma e, caso as manobras sejam rejeitadas, não embasariam um pedido de impeachment. O TCU tem recebido a visita de diversos ministros e integrantes do Governo, incluindo Joaquim Levy, da Fazenda, para tentar convencer o tribunal que não houve má-fé, mas sim que a equipe econômica anterior se utilizou de expedientes já empregados no passado.
O temor é que um parecer desfavorável chegue a Cunha, que está com ‘sangue nos olhos’ e quer ver o circo pegar fogo. Se a sugestão do TCU for pelo rejeição, tudo leva a crer que ele vai estudar como nunca o regimento interno da Câmara para ver suas possibilidades de usar o pedido como boia de salvação para sua própria sobrevivência política. Já anunciou que a análise das contas é uma das prioridades assim que voltar do recesso do Congresso, em agosto.
 Ao encampar o assunto que ganhou apoio de movimentos populares anti-PT, o deputado ganharia sobrevida política em meio ao furacão da Lava Jato que o atingiu em cheio na semana que passou. A análise em Brasília é de que hoje haveria mais de 240 deputados propensos a apoiar um pedido de impeachment de Dilma. Faltariam uns cem para ter maioria. “O apoio aumenta ou diminui dependendo do noticiário e da relação política com o governo”, segundo o portal Visão Nacional.
Até o momento, o noticiário não é o mais favorável a Cunha pela sua reação intempestiva que se seguiu ao depoimento de Camargo. O parlamentar procurou desqualificar o trabalho do Ministério Público e do juiz Sergio Moro, garantindo que haveria influência do Governo para o relato do lobista. A tese, porém, é muito frágil, uma vez que a suposta ingerência do Executivo rendeu zero resultado para os próprios petistas envolvidos na Lava Jato. Mas, ninguém se atreve a ter certezas diante de um quadro como o atual.
O Planalto soltou uma nota nesta sexta dizendo esperar que o rompimento anunciado por Cunha “não se reflita nas decisões e nas ações da Presidência da Câmara que devem ser pautados pela imparcialidade e pela impessoalidade”. Neste sábado, o deputado afirmou que “Não existe pauta de vingança e nem pauta provocada pela minha opção pessoal de mudança de alinhamento político”. “O que existe é eu, como político e deputado, exercer a minha militância defendendo uma posição diferente da que defendia antes. Não tenho histórico de ajudar a implementar o caos na economia por pautas que coloquem em risco as contas públicas.”
Num momento de economia frágil, jogar propositadamente contra as medidas que ainda precisam ser aprovadas pelo Congresso aparenta ser um jogo arriscado que pode se voltar contra ele. Manter Dilma acuada é manter também a recuperação da economia num fio da navalha, uma vez que a crise política alimenta a turbulência econômica.
Nesta sexta, nove governadores do Nordeste, dos quais três do PT, lançaram um manifesto de apoio à presidenta Dilma Rousseff. No documento, eles afirmam que consideram “incabível” a interrupção do mandato presidencial e defendem que o mandato de quatro anos determina um prazo para que os compromissos de campanha sejam cumpridos e os desafios, vencidos. Curiosamente, um dos nomes que assinam o manifesto é Renan Calheiros Filho, governador de Alagoas pelo PMDB, e filho do presidente do Senado, Renan Calheiros, um dos 'quatro cavaleiros' do PMDB - os outros são Cunha, o vice-presidente Michel Temer e o senador Eunício Oliveira.
O momento é visto com muita preocupação por todos os setores políticos. Neste sábado, o presidente do PSDB, Aécio Neves, disse, por meio de nota, que o partido acompanha com preocupação o agravamento do quadro político no país. “Continuaremos atentos ao nosso papel de defender as nossas instituições para que elas cumpram suas funções constitucionais. Todas as denúncias têm que ser investigadas, respeitado o amplo direito de defesa”, afirmou Neves. Como ele, o mundo político está escolhendo as palavras com cautela tentando ganhar tempo para enxergar melhor o espaço para tomar posições depois do terremoto Cunha.